Ele vai chamar o Fundo

Quem viveu na “década perdida” de 1980 tem fácil na memória o que significam as três letras da sigla FMI. Nesse período conturbado da economia brasileira, o Fundo Monetário Internacional servia como uma ajuda emergencial ao governo de turno quando havia problemas para financiar a nossa dívida externa. Logo, a lembrança de envolvimento com o Fundo não é das melhores para quem passou por esses tempos. A relação mudou muito desde a estabilização promovida pelo Plano Real e com o aumento das reservas internacionais brasileiras.

A situação extraordinária provocada pela pandemia do coronavírus, que cada vez mais provoca graves implicações no cenário econômico global, fará com que Paulo Guedes peça que o FMI seja ainda mais atuante para enfrentar os desafios excepcionais. Segundo informações obtidas pela agência de notícias Reuters, o ministro da Economia do Brasil usará o discurso que fará durante um encontro virtual promovido pelo Fundo e pelo Banco Mundial amanhã para requisitar que sejam liberados mais recursos do FMI para aumentar a liquidez global. 

Em especial, para os países em desenvolvimento. São esses que, segundo Guedes, estão enfrentando saídas de capital “sem precedentes”, uma queda repentina da demanda externa e um recuo “dramático” dos preços das commodities. 

Em sua fala, o líder da equipe econômica de Jair Bolsonaro vai defender as ações que tomou para mitigar o impacto da crise nas finanças do Brasil. “O país adotou passos realmente extraordinários para combater a pandemia, assegurar o bom funcionamento do sistema financeiro e a oferta do crédito”, dirá Guedes. “Assim como renda, empregos e negócios. Nenhum cidadão brasileiro será deixado para trás”.

O discurso que Guedes fará nesta arena global tem muita ressonância os mecanismos de sua preferência para enfrentar a pandemia. A busca para disponibilizar recursos para o sistema financeiro atuar na concessão de crédito a pessoas e empresas tem sido a tônica das medidas tomadas por sua equipe: elas liberaram mais de R$ 1 trilhão para garantir liquidez às instituições bancárias. https://bit.ly/3cktGkS
Verdade seja dita, o Fundo já tinha sido protagonista nas notícias desse começo de semana. Em seu relatório Perspectiva Econômica Global, divulgado ontem, o FMI projetou que o Brasil terá uma queda de 5,3% no PIB (Produto Interno Bruto) de 2020. Caso seja confirmada, será o maior recuo da série histórica, que compila dados desde 1962. https://bit.ly/34Dl86a

As previsões do levantamento para a economia global não são muito melhores. Para o FMI, a retração da economia mundial neste ano será de 3%, um tombo que representaria a pior situação desde a Grande Depressão dos anos 1930. https://bit.ly/2XC4JNG
Entre no grupo do 6 Minutos e receba direto no WhatsApp as principais notícias do dia: https://6minutos.com.br/whatsapp
A medida provisória que permitiu a redução de jornada e de salários dos trabalhadores formais foi publicada no dia 1º de abril, mas sua execução tem sido marcada por idas e vindas. Apesar de mais de 1 milhão de acordos entre empresas e funcionários terem sido firmados até agora, o tema ainda é alvo de um grande debate jurídico. O ministro Ricardo Lewandowski, do STF (Supremo Tribunal Federal), concedeu uma liminar em uma ação que questionava a constitucionalidade da medida.

Acontece que os acordos firmados antes da liminar do ministro estão em uma espécie de limbo legal. Como a medida foi regulamentada por uma Medida Provisória, a partir da edição do texto, os termos já estavam valendo. Cerca de 7 mil acordos foram firmados até 7 de abril, quando Lewandowski mudou o entendimento da questão. “O governo provavelmente vai esperar a avaliação definitiva do STF para decidir o que fazer em relação a esses pedidos de antes da liminar”, afirma Dario Rabay, especialista em direito trabalhista do escritório Mattos Filho. Com isso, o pagamento desses trabalhadores pode sofrer atraso em um momento de bastante dificuldade. O 6 Minutosexplica a questão: https://bit.ly/3aaivK0.
Depois de muita lentidão, apelos do governo e receio de empoçamento no sistema financeiro, quatro dos cinco maiores bancos brasileiros –Caixa, Bradesco, Itaú-Unibanco e Santander–, começaram a oferecer linhas de crédito para que micro e pequenas empresas possam financiar suas folhas de pagamento.

Para acessar esse tipo de empréstimo, idealizado pelo Banco Central com recursos do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), é preciso ter faturamento entre R$ 360 mil e R$ 10 milhões por ano e não estar inadimplente. Além disso, a empresa que tomar o financiamento não poderá demitir por dois meses os empregados com salários financiados pela linha. Confira as condições e os custos dessa solução no 6 Minutoshttps://bit.ly/34G7bVc
Você recebeu uma mensagem no WhatsApp que oferece acesso ao auxílio-emergencial do governo? Cuidado, Bino, é uma cilada! Dados da produtora de antivírus PSafe mostram que as tentativas de golpes online aumentaram de maneira exponencial em meio à pandemia do coronavírus. Só em março, a empresa contabilizou quase 9 milhões dessas ocorrências, um aumento de mais de 8.000% em relação a fevereiro. Nove em cada 10 tentativas de enganar usuários acontece no app de mensagens preferido dos brasileiros. E os grandes chamarizes são assuntos relacionados ao  covid-19 e à quarentena: além da ajuda de R$ 600, muitos deles oferecem álcool em gel da Ambev grátis e assinaturas sem custo da Netflix.

Aliás, o pagamento da ajuda aos trabalhadores informais tem sido o alvo principal dos golpistas. Há muitos programas falsos com essa temática nas lojas de apps dos sistemas operacionais móveis. Tome muito cuidado antes de sair baixando aplicativos e siga alguns cuidados básicos. Entre eles, instalar uma solução de proteção no seu celular e checar no site de quem produz a solução oferecida a você se as informações da loja batem com as fornecidas pelo desenvolvedor. https://bit.ly/2VcVn9T
A Páscoa foi celebrada no último domingo. Mas um acordo entre a Abicab (Associação da indústria de chocolates) e a Abras (Associação brasileira de supermercados) permitirá que os ovos de chocolate fiquem expostos no varejo até o fim do mês. O objetivo é tentar reduzir os estoques de ovos de Páscoa, já que as pessoas cortaram o consumo de itens não essenciais por conta da pandemia de coronavírus. Além disso, é uma maneira de permitir que as pessoas que não conseguiram comprar, mas ainda têm esse desejo, consigam encontrar os produtos nas gôndolas.

E se ainda não há dados sobre vendas de ovos de Páscoa nas lojas físicas, já se sabe que na internet elas explodiram. Informações da Ebit|Nielsen mostram que os pedidos aumentaram 322% entre os dias 29 de março a 6 de abril de 2020 em relação ao período de 7 a 20 de abril de 2019. Neste período, as vendas online de chocolates em geral subiram 360%. Isso mostra que, em meio ao isolamento, as pessoas deixaram para comprar as lembranças de Páscoa na última hora e que fizeram as compras principalmente online, sem precisar sair de casa. https://bit.ly/2VabIfu
A vida em condomínio nunca foi um mar de rosas. Mas o isolamento social imposto pela pandemia de coronavírus acirrou ainda mais a difícil convivência entre vizinhos. Antes, os moradores passavam a maior parte do dia fora de casa, seja trabalhando ou estudando. Agora, estão todos trancados dentro de seus apartamentos, 24 horas por dia, impedidos de curtir a vida lá fora. Pequenas diferenças podem ser amenizadas se os condôminos seguirem um conjunto mínimo de regras, segundo Marco Gubeissi, diretor de administradoras da vice-presidência de administração imobiliária e condomínios do Secovi-SP (Sindicato da habitação de São Paulo).

A principal delas, na medida do possível, é tomar cuidado com o barulho. “Aumentou muito o número de reclamações contra vizinhos”, afirma Gubeissi. “Sempre tem gente querendo trabalhar enquanto o vizinho tem filhos pequenos chorando ou jogando bola dentro do apartamento”. Para ajudar você a passar bem por esse período sem se indispor com o morador do 84A que vive reclamando de você para o síndico, o 6 Minutos lista algumas das medidas para manter a boa convivência nos tempos de quarentena: https://bit.ly/3cmESh9.
Fique de olho
Às 8h, a FGV divulga o IGP-10 (Índice Geral de Preços – 10) de abril.

Às 14h30, o Banco Central revela o fluxo cambial da semana.
After market
PARA APRENDER – Se você está procurando atividades mais zen para preencher os dias de sua quarentena e anda se divertindo em cuidar das plantas, que tal passar para o próximo nível? Já pensou em ter uma horta em casa? Se você respondeu que sim, mas acha que não tem espaço, a Embrapa pode te ajudar: um curso online para criar hortas em pequenos espaços. O conteúdo é gratuito e dividido em 4 módulos, mas funciona sob esquema de inscrição. As 8 mil vagas de abril já foram preenchidas e a turma de maio ainda não foi liberada. Se ficou interessado, fique de olho no portal E-Campo, da Embrapa, para saber quando se cadastrar: https://bit.ly/2V6ztoq.*EM TODAS AS TELAS – Em uma ilha paradisíaca, mas que enfrenta a tensão que surge entre os ricos donos das casas de sonhos e os locais que trabalham para os primeiros, um jovem encontra o mapa de um tesouro. Acontece que esse mapa era de seu pai, que acabou de desaparecer. John B, então, reúne três amigos que também vivem nessa ilha para buscar com ele esse prêmio misterioso. Essa é a história de “Outer Banks”, série dramática adolescente que estreia hoje na Netflix. A primeira temporada tem 10 episódios, que já estão no ar. https://bit.ly/2xjuYOt.